Voltar

6 passos para a gestão da Saúde prevenir úlceras por pressão

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade


Monitoramento dos riscos e envolvimento do paciente é fundamental no processo de prevenção de úlceras por pressão

Por Priscilla Martins

Garantir a segurança do paciente é um dos compromissos fundamentais da gestão de Saúde. Nesse sentido, a ocorrência de úlceras por pressão é considerada um indicador importante em relação à qualidade da assistência multiprofissional ofertada por uma instituição, já que o problema pode ser prevenido se realizada a correta avaliação em relação aos fatores intrínsecos e extrínsecos relacionados ao paciente. 

Em geral, a ocorrência de úlceras por pressão em ambiente hospitalar influência diretamente no tempo de internação, podendo aumentá-lo. O paciente afetado por ela torna-se mais suscetível à ocorrência de sepse e, inclusive, risco de morte.

Listo aqui seis passos cruciais para a gestão de Saúde promover a correta prevenção desse tipo de intercorrência no hospital:

1- Mapeie os fatores de risco:

Esse ponto é fundamental para realizar a correta avaliação dos pacientes. Há dois tipos de fatores de risco que devem ser levados em consideração:

  • Intrínsecos: idade, mobilidade reduzida, desnutrição, presença de vasoconstrição periférica, peso corporal, incontinência urinária ou fecal.
  • Extrínsecos: forças externas de pressão, fricção e/ou cisalhamento, umidade excessiva, uso de produtos que causam irritação na pele, uso de medicações.

2- Realize a avaliação de risco individualmente:

Cada paciente tem suas particularidades e, para traçar o melhor plano de cuidados e consequentemente prevenir o  aparecimento das lesões, é fundamental analisar os riscos de cada caso de forma particular. Essa avaliação inclui:

  • Inspeção completa da pele, com técnicas de identificação e resposta ao branqueamento.
  • Avaliação da cor da pele.
  • Verificação da presença de umidade ou fator de risco.
  • Avaliação da temperatura, textura, mobilidade e turgor em todas as áreas do corpo.
  • Verificação dos fatores de risco (intrínsecos e extrínsecos) de cada paciente.

3- Utilize escalas de avaliação de risco

Escalas internacionalmente validadas, tais como Braden e Braden Q, auxiliam a gestão de Saúde a mapear o risco de cada paciente em particular desenvolver úlceras por pressão.

4- Estabeleça as metas e faça o plano de cuidados do período de internação, baseado na previsão da alta. 

Identificados os riscos do paciente, é hora de planejar as medidas mais assertivas para prevenção do problema. Isso inclui o posicionamento adequado do paciente no leito e a programação de mudanças de decúbito adequadas, assim como o aporte necessário de nutrientes, conforme cada caso clínico.

5- Utilize os equipamentos e materiais certos

Até mesmo os equipamentos e materiais utilizados durante o período de internação fazem a diferença na prevenção das úlceras por pressão em ambiente hospitalar. Um exemplo é o uso de espumas para colchão de alta especificidade.

6- Envolva a todos na prevenção

Se prevenir é o caminho, todos os envolvidos no processo de cuidado devem fazer parte do plano de cuidados, incluindo não só os colaboradores que lidam com ele, mas também o próprio paciente, seu acompanhante e demais familiares. Todos devem receber orientações, capacitações e conhecer os métodos de prevenção ao aparecimento de lesões.

Não custa lembrar que a equipe multiprofissional tem papel fundamental no cuidado centrado no paciente e na disseminação da cultura de segurança do paciente em todas as instituições de Saúde. Aquelas que realizam ações com direcionamento na gestão de riscos conseguem trabalhar de forma sistêmica e continuada para a avaliação e controle dos riscos e eventos adversos que podem atingir os pacientes em suas diversas condições. 

Trabalhar a gestão da qualidade nas organizações de Saúde, com monitoramento, acompanhamento e melhoria constante dos indicadores e atividades melhora a imagem perante o cliente interno e externo, além de trazer ganhos para o desempenho operacional, redução de custos a longo prazo e solidificação da cultura organizacional da instituição.

Leia também:

II Congresso de Maturidade de Gestão da Saúde foi um sucesso

Congresso Brasileiro de Maturidade de Gestão da Saúde: confira a abertura da 2º edição do evento


29 de outubro de 2019 | Atualizado dia 3 de fevereiro de 2020


ÚLTIMAS POSTAGENS

Gestão da Saúde

Qualidade em Saúde: história e definição

Ao longo da evolução mercadológica, a preocupação com a entrega dos serviços e produtos tomou contornos cada vez mais profissionais…Leia mais.

Gestão da Saúde

O Business Canvas no valor para a Saúde

Na aplicação do Business Canvas, o objetivo fundamental deve estar em destaque e merece atenção primária dos gestores em Saúde:…Leia mais.

Gestão da Saúde

Tecnologia é meio, o diferencial é cultura 2

Colaboradores mais ativos devem ter como foco atender um cliente que busca promoção à saúde, e não tratamento e cura,…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos