Voltar

Coronavírus: o marco para a Saúde 4.0

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade

Flexibilização e inovação diante da crise gera a necessidade de mudar o mindset das organizações para a era da Saúde 4.0

Por Fabiana Freitas

Com a crise na Saúde provocada pela pandemia do coronavírus apertando o cerco para a gestão hospitalar tanto de instituições públicas como privadas, ambos os lados estão estudando a proposta de “fila única”. Ou seja, o compartilhamento da demanda para reduzir os prejuízos para ambos os lados e minimizar a superlotação das UTIs (Unidade de Terapia Intensiva). Essa avaliação é um dos fatores que mostram o quão veloz o setor está sendo empurrado, de fato, para a Saúde 4.0. O marco é a crise. E a habilidade de inovar em curto prazo se torna um diferencial competitivo e também de sustentabilidade dos negócios.

Saúde 4.0 deriva da Revolução 4.0, à qual muitas indústrias do mercado já se adaptaram. O setor de Saúde está passando por desafios que implicam não somente a aplicação de estratégias para gerenciamento da crise. É uma questão de mudança do mindset. Novos comportamentos, dinâmica econômica e mercadológica e novas tecnologias estão mostrando para os gestores que a condução dos negócios, tal como era feira antes da pandemia, é um modelo não poderá ser a mesma. A Saúde 4.0 coloca no centro do negócio uma geração clientes mais empoderados e conhecedores do valor agregado aos serviços. 

Mindset

A instituição de saúde que antes estava voltada para a cura e tratamento de pacientes, em detrimento da gestão sustentável, perdeu o sentido no momento em que a receita chegou a um piso inoperável. Uma pressão maior e pragmática se faz necessária, por isso, os gestores devem mudar a forma como lidam com os insumos, os recursos humanos e, principalmente o cliente.

Novas gerações

As pessoas estão conectadas e, para a Saúde 4.0, o conceito de globalização pode ser reinterpretado. Ou seja, as informações chegam com velocidade maior com a qual as decisões são tomadas dentro dos hospitais. O paciente sabe quais são os elementos de qualidade que regem um bom atendimento e, esse paciente é um disseminador de informações e percepções – importantes para o perfil que a instituição almeja passar à população.

Os gestores que vão se destacar no cenário pós-crise são aqueles que mudaram a forma como a organização se posiciona. São profissionais que aproveitaram a experiência imposta pelos desafios atuais, elaboraram estratégias atualizadas e condizentes com a realidade da estrutura organizacional e a disponibilidade de recursos. Assim, a mudança de mindset é uma extensão da transformação para a Saúde 4.0. Novos modelos, novos paradigmas e um setor renovado e mais fortalecido em breve vai emergir.


7 de maio de 2020 | Atualizado dia 7 de maio de 2020


ÚLTIMAS POSTAGENS

Transformação Digital na Saúde

Como concorrer com os negócios que nascem digitais

Empresarialização da Saúde mostra às organizações o poder de negócios que nascem digitais por natureza, como as startups; a corrida…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Medicina digital: 05 tecnologias que transformam a profissão

Da operação robótica até a inserção da ciência de dados, a medicina digital permite que profissionais e organizações ampliem suas…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Tecnologias disruptivas na Saúde: o mundo dos superapps

Enquanto os superapps economizam tempo e dinamismo, os wearable devices jogam as organizações de Saúde para dentro dos lares Por…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos