Voltar

Prontuário eletrônico é coisa do passado, você já deveria ter

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade

A base para um prontuário eletrônico que faz sentido para a instituição são os processos digitalizados – e isso também é uma questão que já deveria ter sido resolvida

Por Roberto Gordilho

Falar sobre o prontuário eletrônico é uma questão de avaliar o quão avançada digitalmente está uma organização de Saúde. Ou melhor, o quanto a cultura organizacional precisa avançar para não cair na obsolescência. Afinal, digitalizar, armazenar e garantir a segurança em todos esses processos, incluindo o compartilhamento dos dados, são obrigações legais para todas as instituições de acordo com duas leis principais: a Lei 13.787, de 27 de dezembro de 2018, que dispõe sobre a digitalização, guarda, armazenamento e manuseio dos prontuários eletrônicos, e a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, a LGPD.

Até aqui, tudo bem. Mas, quanto ao ponto de vista de negócio, ter um prontuário eletrônico significa que a instituição já avançou pelos ciclos de automação e digitalização da operação, a saber:

  • No primeiro ciclo, os hospitais adentram a cultura digital, se apropriando das ferramentas para automatizar os processos e torná-los mais eficazes. A evolução dessa etapa continua pela integração de sistemas e áreas, gerando resultados com mais velocidade e redução de custos e desperdícios. As equipes recebem treinamentos específicos e as lideranças têm a clara visão de como orientar as pessoas para atuarem de forma autônoma e com uso de dados e informações colhidas digitalmente;
  • No segundo ciclo, o prontuário é digitalizado. Sua manutenção e preenchimento acontece de forma automatizada (em certos dados). A instituição está em conformidade com a legislação e opera mantendo o nível aceitável de proteção dos dados e seu uso adequado, gerando valor e segurança para o paciente. Os processos de backoffice e assistenciais funcionam de forma complementar, de maneira que o prontuário seja o mais completo e confiável possível.

Aqui entra a grande questão. Tudo isso já deveria ter sido feito. O momento agora é de investir em relacionamento e experiência dos clientes. Mais que isso, é preciso avançar na digitalização da operação, aumentando a eficiência e construindo novos modelos de serviços e produtos. O prontuário eletrônico como diferencial de operação já ficou para trás. 

Para que esse ciclo funcione, contudo, é fundamental que toda a operação já esteja digitalizada e em conformidade com a legislação vigente. Por isso, o prontuário eletrônico e seu uso como suporte para aumentar a eficiência da instituição servem de termômetro para o nível de digitalização em que se encontra uma organização de Saúde. 

As transformações surgem a todo o momento e são cada vez mais aceleradas. Não é mais  razoável, do ponto de vista empresarial, investir tempo e recursos apenas em etapas da evolução que ficaram para trás, é preciso avançar, para avançar é preciso aumentar a maturidade de gestão. 

Maturidade

No livro “Maturidade de Gestão Hospitalar e Transformação Digital – Os caminhos para o futuro da Saúde”, foram abordados os pilares para uma operação sustentável e moderna. São eles: governança corporativa, estratégia empresarial, tecnologias de gestão, gerenciamento de processos e gestão de pessoas.

  • Governança Corporativa: é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas e monitoradas, envolvendo relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas. O conceito formaliza um conjunto de regras de como deve ser a conduta de cada funcionário e da equipe para que se alcancem os resultados estratégicos planejados;
  • Estratégia Empresarial: é o momento de elaboração da rota que será seguida pelo negócio, a organização dos recursos necessários para que a instituição se mantenha e garanta os objetivos do empreendimento. 
  • Tecnologias de Gestão: são ferramentas capazes de estimular e promover a melhoria contínua de processos gerenciais. As inovações tecnológicas podem otimizar e automatizar processos e tarefas, bem como melhorar a execução de atividades e o retorno de resultados para análises e subsídios de tomadas de decisão. 
  • Gerenciamento de Processos: trata-se da  forma de encadear tarefas e responsabilidades de cada área da organização de Saúde. As atividades acontecem sem intercorrências, integrado back office e serviços assistenciais, com o prontuário eletrônico e demais processos funcionando com suporte da automação digital.
  • Gestão de pessoas: é preciso engajar, capacitar e compartilhar com as pessoas a cultura do cliente no centro do negócio. Treinamentos contínuos e atualização de habilidades acontecem à medida que a instituição renova o parque digital, fomentando a produtividade por meio das novas tecnologias.

Tais pilares sustentam a plataforma de crescimento das organizações em um mundo que estava vivenciando as mais impactantes transformações. Agora, contudo, os negócios passam por inovações constantes, a gestão se torna cada dia mais profissional, com objetivos claros e uma concorrência fomentada pelas mais diversas capacidades proporcionadas pelas novas tecnologias.

Por isso, ter uma operação digitalizada, na qual o prontuário eletrônico dialoga com as áreas mais importantes do cuidado do paciente, é uma etapa que já deve ter sido ultrapassada. Os negócios de sucesso de hoje devem visualizar esses deveres como primários. 

O mundo da Saúde passa pelo questionamento dos antigos e criação de novos paradigmas. E eles se transformam diariamente, exigindo dos gestores habilidades de adaptação às novas oportunidades. Os negócios devem ser orientados para fornecer uma experiência otimizada e relacionamento continuado com os clientes. 

O prontuário eletrônico (dados do Cliente) é apenas o começo, deve ser a base de um processo de gestão maduro, focado no relacionamento continuado, baseado no cuidado e na criação de novas ofertas de serviços que integrem o físico e o digital para proporcionar mais saúde e qualidade de vida para o Cliente, e mais receita para a organização.


24 de fevereiro de 2022 | Atualizado dia 22 de fevereiro de 2022


ÚLTIMAS POSTAGENS

Estratégia Empresarial

Planejamento tático e operacional: a importância de envolver pessoas

A continuidade do planejamento estratégico acontece nos níveis tático e operacional, em que a atuação das pessoas de forma engajada…Leia mais.

Estratégia Empresarial

Entenda como o planejamento é importante na Saúde

Com a empresarização do setor, dominar o planejamento estratégico é requisito básico; Desdobrá-lo em ações e ampliar o engajamento se…Leia mais.

Carreiras

O grande erro que impede seu crescimento profissional

Na Saúde, o crescimento profissional está ligado à capacidade de entregar resultados acima da média de maneira contínua e consistente…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos