Voltar

Gestão do tempo para equipes de trabalho

Junte-se a mais de 15.000 profissionais de gestão da saúde.

Assine nossa lista e receba conteúdos com prioridade

Oferecer ao colaboradores formas de otimizar e organizar as atividades é uma estratégia valiosa para a gestão do tempo em organizações de Saúde

Por Editorial GesSaúde

A gestão do tempo é uma habilidade que caracteriza profissionais focados e organizados. Porém, essa estratégia deve ser aplicada para colaboradores e liderados. Afinal, mesmo que a rotina de uma organização de Saúde seja complexa, invariavelmente as pessoas podem se distrair e perder atenção durante a execução das atividades. Assim, para otimizar o tempo o gestor deve lançar mão de técnicas para ajudar as equipes a manterem o foco. E isso deve ser feito de maneira a não desmotivar os colaboradores.

O primeiro passo para melhorar a gestão do tempo é definir as metas da equipe. Além disso, é necessário dividi-las em mensais e anuais. Em seguida, desdobrá-las em metas semanais e diárias. Assim, tanto o gestor quanto os colaboradores terão uma visão clara de onde a equipe deve chegar. Isso significa compartilhar os objetivos. Essa estratégia também permite que todos saibam quais são os desafios envolvidos na obtenção dos resultados. E, assim, quanto de energia e foco cada pessoa terá que investir para garantir que o trabalho flua de forma orgânica.

Acompanhamento

O segundo passo é montar um sistema de acompanhamento. Aqui, o importante para que a gestão do tempo seja eficaz é ajudar os colaboradores na organização das tarefas. O acompanhamento das ações é importante pois permite ao gestor executar as cobranças. Contudo, é preciso habilidade para cobrar os colaboradores. Isso porque, a cobrança de resultados deve ser feita de forma a incentivar e engajar as pessoas. Caso contrário, essa atitude pode desmotivar as equipes. Por outro lado, com um bom sistema de acompanhamento o gestor tem uma visão clara de como pode auxiliar seus colaboradores a manter o foco e atingir as metas.

Responsabilidades

Ter responsabilidades bem definidas é o terceiro passo para garantir a boa execução da gestão do tempo. Ou seja, cada membro da equipe deve saber suas responsabilidades e o que elas agregam ao trabalho conjunto. Objetivo, meta e foco são os pilares que permitem os profissionais a não perderem a atenção durante a jornada de trabalho. O gestor deve ajudar as equipes a manter essas três características durante o desenvolvimento das rotinas. E dessa forma, além de colaborar para o crescimento profissional das pessoas, o gestor se apresenta como um bom líder.

Tecnologia

Foco e atenção podem ser muitas vezes perdidos quando a pessoa fica imersa no mundo digital. Na gestão do tempo para as equipes, uma forma de evitar isso é usar as novas tecnologias para o acompanhamento das atividades. Existe uma série de ferramentas voltadas para a organização e monitoramento de atividades. Algumas plataformas, inclusive, permitem indexar tempo médio para a execução de atividades. Assim, o gestor deve treinar seus colaboradores para o uso dessas tecnologias. Mais que isso, é necessário convencer as pessoas da importância do suporte tecnológico. 

Acima de tudo, o importante é a força de vontade do gestor em ajudar suas equipes a gerir da melhor forma o tempo. Afinal, quando todos conhecem os objetivos, as metas e conseguem manter o foco, fica mais fácil cobrar resultados.

*Acompanhe Roberto Gordilho nas redes sociais e se atualize diariamente com o melhor conteúdo de gestão na Saúde:

Siga Roberto Gordilho nas Redes Sociais:

YouTube GesSaúde

Instagram GesSaúde

Sobre Roberto Gordilho

Roberto Gordilho é fundador e CEO da GesSaúde, professor, palestrante, apresentador do Canal GesSaúde no YouTube, autor do livro “Maturidade de Gestão Hospitalar e Transformação Digital, os caminhos para o futuro da Saúde”. 

Foi fundador e diretor das empresas EXE Sistemas e Extreme Tecnologia, além de ter sido por 08 anos diretor da MV, onde coordenou projetos de implantação em mais de 300 hospitais no Brasil, Chile, México e República Dominicana.

Formado em Processamento de Dados com especializações em Desenvolvimento Web, Sistemas de Informação e Engenharia de Software, além de Finanças, Contabilidade e Auditoria pela FGV, possui cursos de formação executiva na Kellogg Business School (Chicago) e Universidade da Califórnia (Irvine), participou também do programa de inovação Learn Experience em São Francisco.


8 de fevereiro de 2021 | Atualizado dia 8 de fevereiro de 2021


ÚLTIMAS POSTAGENS

Transformação Digital na Saúde

Como concorrer com os negócios que nascem digitais

Empresarialização da Saúde mostra às organizações o poder de negócios que nascem digitais por natureza, como as startups; a corrida…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Medicina digital: 05 tecnologias que transformam a profissão

Da operação robótica até a inserção da ciência de dados, a medicina digital permite que profissionais e organizações ampliem suas…Leia mais.

Tecnologia de Gestão

Tecnologias disruptivas na Saúde: o mundo dos superapps

Enquanto os superapps economizam tempo e dinamismo, os wearable devices jogam as organizações de Saúde para dentro dos lares Por…Leia mais.

Cadastre-se para ter acesso a conteúdos exclusivos